Projeto: “Dê Crédito ao Meio Ambiente”

O projeto tem como objetivo obter créditos de carbono, abater o gás metano da atmosfera, reduzir o aquecimento global, fomentar o desenvolvimento sustentável utilizando a energia renovável do biogás, melhorar a eficiência energética do sistema e a renda do produtor rural.

Benefícios locais e regionais:

● Tratamento do resíduo bovino.

● Geração do biogás, como fonte de energia substituta aos combustíveis fósseis e à energia elétrica.

● Produção do biofertilizante.

● Desenvolvimento sustentável.

● Melhoria da qualidade da água da região (242.649 habitantes do Vale do Rio Paraíba do Sul e do Vale do Rio Preto) e da cidade do Rio de Janeiro.

Benefícios globais:

● Redução da emissão de metano na atmosfera.

● Redução do aquecimento global.

● Fomento da economia verde.

● Substituição da matriz energética.

● Disseminação de tecnologia verde.

Outros benefícios:

Serão criados 140 empregos diretos na fase 2 (dois) do projeto. Empregos indiretos serão criados pelo incremento da renda dos beneficiados do projeto e pelo valor agregado ao produto rural. O desenvol-vimento financeiro, econômico e social será altamente impactante na região.

O projeto possibilitará a educação ambiental com modelos práticos em funcionamento. Ciências exatas, ambientais e humanas serão facilmente lecionadas e assimiladas pelos estudantes. Esses conhecimentos certamente levarão ao desenvolvimento social e econômico, tanto do cidadão como do país.

Cidades que serão beneficiadas:

● Barra do Piraí, RJ;

● Rio das Flores, RJ;

● Valença, RJ; Vassouras, RJ;

● Belmiro Braga, MG;

● Lima Duarte, MG;

● Passa Vinte, MG;

● Rio Preto, MG;

● Santa Rita do Jacutinga, MG;

● Santa Bárbara do Monte Verde, MG.

Projetos vencedores da primeira edição do Prêmio “Dê Crédito ao Meio Ambiente” são contemplados e Brasil mostra potencial de liderança no cenário mundial de MDLs – Mecanismos de Desenvolvimento Limpo

Prêmio Dê Crédito ao Meio Ambiente – Comissão julgadora

23/09/2009 – Brasília, DF, IDDEIA recebe o Prêmio

A premiação foi importante para reconhecer e incentivar as iniciativas que estão sendo feitas por empresas e instituições em todo o país que criaram idéias e/ou implantaram projetos em MDL – Mecanismo de Desenvolvimento Limpo – que gerem benefícios para toda a sociedade.

Resultado de uma parceria entre o Ministério do Meio Ambiente, Ministério da Ciência e Tecnologia e da revista Meio Ambiente Industrial, nesta edição do prêmio foram inscritos 31 projetos, sendo 20 na categoria “Idéias de Projeto” e 11 na categoria “Projetos Implantados”.

A cerimônia para entrega dos prêmios foi realizada no auditório da CNI – Confederação Nacional da Indústria – em Brasília, dia 23 de setembro de 2009, e contou com a participação de autoridades do setor ambiental, especialistas da área, instituições envolvidas com o meio ambiente e organizações ambientais.

O projeto vencedor na categoria “Idéias de Projeto” foi:

● Melhor Benefício Socioambiental: A empresa IDDEIA – Instituto de Defesa e Desenvolvimento do Inteiro Ambiente – com o projeto “Biodigestores e Créditos de Carbono para o produtor rural”.

Em projetos implantados:

● Melhor Benefício Econômico Financeiro: A empresa ArcelorMittal Bio Energia, que participou com o “Programa Produtores de Florestas Plantadas Sustentáveis na Zona da Mata do Estado de Minas Gerais”.

As empresas foram contempladas com um certificado de participação, troféu e carta de confirmação da consultoria oferecida pela Sustain Capital, para avaliação das melhores possibilidades de estruturação financeira e que identificará qual a melhor fonte de recursos para que o projeto possa vir a ser viabilizado financeiramente.

Agraciados com um certificado de participação e troféu, os Vencedores da categoria “Projetos Implantados” foram:

● Empresa LARA Energia com o “Projeto de Conversão de Gás de Aterro em Energia no Aterro LARA”.

● Empresa Plantar S/A com o “Projeto de Reflorestamento como fonte renovável de suprimento de madeira para uso industrial no Brasil”.

Para Luis Eduardo Freitas Tinoco, representante da Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, o Brasil tem uma ótima posição em relação a projetos de MDL. “Somos o terceiro no mundo e temos muito a crescer. Por isso, ao fomentar esse conceito vamos conseguir fazer com que os projetos que hoje estão mais localizados no Centro-Sul do país, também alcancem outras regiões”, ressalta Tinoco.

Segundo Grace Dallapria, da CNI – Confederação Nacional da Indústria, todos que têm acompanhado as questões com relação à mudança do clima entendem a importância do assunto. “Esta iniciativa é mais uma demonstração de que a indústria tem, sim, vários projetos e iniciativas que podem comprovar seu compromisso com a questão da mudança do clima” ressalta.

De acordo com Thiago Araújo Mendes, representante do Ministério da Ciência e Tecnologia, o prêmio vai trazer não só a possibilidade de fomentarmos novas propostas, mas também, de premiar aqueles que já fizeram um trabalho acreditando que a questão de créditos de carbono é uma possibilidade real de trazer recursos adicionais para a indústria nacional. “Prêmios como esses trazem a oportunidade para demonstrarmos, inclusive, para a sociedade brasileira que temos não só possibilidades de uma posição de liderança, como também temos um cenário promissor em relação à construção de uma sociedade de vanguarda em termos industriais sustentáveis”.

IDDEIA recebe o Prêmio “Dê Crédito ao Meio Ambiente” em 2009.

23/09/2009 – Brasília, DF, Prêmio “Dê Crédito ao Meio Ambiente”

A Comissão Julgadora dos projetos inscritos nesta primeira edição foi composta por especialistas da FEA/ USP – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade; do IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo; da FIESP; Federação das Indústrias do Estado de São Paulo; do CIETEC – Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia; da Fundação Odebrechet e do CRQ – Conselho Regional de Química – IV Região.

A iniciativa foi patrocinada pelo BCB – Brazilian Carbon Bureau, VALE e CNI e contou com os apoios da KPMG, Sustain Capital, Cristais São Marcos – Molinari, entre outros.

Julio Tocalino Neto, diretor da revista Meio Ambiente Industrial e do Brazilian Carbon Bureau, enfatiza a importância do projeto. “A participação dessas empresas é um estímulo para continuarmos com iniciativas como estas que colocam o Brasil entre os mais atuantes no cenário mundial em MDL”.